Vampiros digitais II: o “copia-e-cola” nos estudos de impacto ambiental


Por Antônio Fernando Pinheiro Pedro
Me referi no meu artigo anterior à baixa qualidade dos estudos e publicações, sejam técnicas, jurídicas, acadêmicas ou não, digitalizadas ou impressas, por conta da “vampirização digital”.
Hoje, qualquer vampiro digital pega “emprestado” texto de um estudo alheio e trata de inseri-lo em outro. É do instinto vampiresco “chupar” citações, ainda que de nada sirvam para a conclusão da obra.
O resultado dessa vampirização é a feitura não de estudos mas, sim, de “frankensteins”, de monstros do “puzzle digital”, que substituem a capacitação técnica que deveria constituir a alma do estudo.
O resultado disso, como já dito, pode ser funesto.
Reza o artigo 69 –A da Lei Federal 9.605/98 – Lei de Crimes Ambientais:
Art. 69-A. Elaborar ou apresentar, no licenciamento, concessão florestal ou qualquer outro procedimento administrativo, estudo, laudo ou relatório ambiental total ou parcialmente falso ou enganoso, inclusive por omissão:
Pena – reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos, e multa.
§ 1o Se o crime é culposo:
Pena – detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos.
§ 2o A pena é aumentada de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços), se há dano significativo ao meio ambiente, em decorrência do uso da informação falsa, incompleta ou enganosa.
A vampirização digital constitui crime, e, com isso, pode o empreendedor patrocinador da fraude perder o seu investimento.
O caso das análises e estudos jurídicos
A análise jurídica não pode mais ser algo secundário na elaboração do estudo para, depois, se tornar a parte mais importante e decisiva no conflito, quando o estudo for eventualmente judicializado.
Relatórios costumam ser reduzidos a uma somatória exaustiva de normas legais, sem análise crítica aplicável efetivamente à realidade analisada e, muitas vezes, sequer subscrito por advogados.
São dois caso graves que tenho atestado muitas vezes:
1- textos inteiros de um determinado estudo são copiados e enxertados em outro estudo e, em alguns casos, sequer mantém relação direta com a análise em causa;
2- O capítulo é reduzido a mero cópia-e-cola de normas legais relacionadas mas, nem sempre pertinentes…
O Banco Mundial, em importante estudo sobre a performance do licenciamento ambiental das hidrelétricas no Brasil (do qual participei como consultor), recomendou a necessidade do resgate do EIA como ferramenta efetiva para a gestão ambiental, devendo conter parecer jurídico conclusivo no seu bojo, subscrito por profissional do direito, de forma a conferir consistência legal à ferramenta, até mesmo para prevenir conflitos interpretativos e sua judicialização.
A vampirização digital, portanto, pode levar ao descrédito da instituição do licenciamento ambiental e à exposição de equipes de analistas à judicialização de seus relatórios.
O risco para proponentes e agentes da administração
Capítulos jurídicos “copiados e colados” ou reduzidos a um “legal framework” meramente descritivo de marcos legais deixam os técnicos absolutamente a descoberto, submetidos a críticas ferozes provindas dos órgãos ambientais, do Ministério Público ou de ONGs.
Indefinições decorrentes desse tipo de comportamento, podem gerar ações de improbidade, anulação de todo o estudo de impacto ou avaliação componente do licenciamento, quando não induzir a procedimentos criminais.
O IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) já tem recomendação: os capítulos jurídicos de impacto ambiental não são uma mera listagem de normas jurídicas aplicáveis, até porque para isso não é necessário advogado ou prevenção de conflitos. O que se quer é um parecer da aplicabilidade das normas sobre o caso que se está analisando.
Isso facilita muito, não só para o órgão que está fazendo o estudo, como para o próprio técnico que o efetua.
É importante lembrar que na fase do licenciamento ambiental, analista e executor do EIA estão integrados a uma atividade de nítido interesse público. Analista e executor estão, no instante que analisam o empreendimento, cumprindo rigorosamente o mesmo papel: oferecer o maior volume de informações que sustente a decisão final do licenciamento ambiental.
Hoje, as agências ambientais estão pedindo estudos mais apurados, efetuados com originalidade, claros e objetivos. A sociedade precisa confiar nesses estudos. Portanto, é mais que necessário para o órgão ambiental que o estudo esteja subsidiado juridicamente, ainda que a autoridade decida contrariamente ao empreendimento.
Combater o “copia-e-cola”, portanto, é resgatar qualidade jurídica no EIA.
É importante afastar os vampiros digitais, permitindo que o Capítulo Jurídico não seja uma “listagem de normas legais aplicáveis”, mas, sim, um efetivo estudo de aplicabilidade das normas.
Publicado no portal Última Instância em 29 de Outubro de 2013.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s