Prevenção não se confunde com precaução no direito ambiental

28/05/2013
Escrito por Antônio Fernando Pinheiro Pedro

Enorme é a confusão doutrinária e jurisprudencial, entre PREVENÇÃO e PRECAUÇÃO, observada em nosso Direito Ambiental. Decisões judiciais, ações civis públicas, recomendações ministeriais e decisões administrativas, sistematicamente confundem ambos os princípios.
O imbróglio leva incautos operadores do direito a evocar o Princípio da Precaução para, sem se darem conta, obstruir atividades típicas implementadoras do próprio Princípio da Prevenção –   como o licenciamento ambiental ou a própria avaliação de impacto ambiental de empreendimentos e projetos.
Prevenção vem do Latim PRAEVENIRE (antecipar, perceber previamente).  Resulta da junção de PRAE- antes, a frente, com VENIRE – vir.
Precaução resulta da junção do termo latino CAUTIO (caução, garantia, cuidado) – relacionado ao verbo CAVERE (estar alerta, em guarda), com o termo PRAE (antes, à frente).
PRECAVER significa antecipar medidas para amenizar consequências, quando há possíveis riscos futuros, porém, desconhecidos (se fossem conhecidos, seria prevenção).
Ambos os conceitos configuram princípios gerais firmados internacionalmente, que informam a aplicação da lei e norteiam a gestão ambiental.
O Princípio da Precaução
O Princípio da Precaução é expresso no Princípio 15 da Declaração Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento das Nações Unidas, firmada no Rio de Janeiro, em 1992, que reza o seguinte:
“De modo a proteger o meio ambiente, o Princípio da Precaução deve ser amplamente observado pelos Estados, de acordo com suas capacidades. Quando houver ameaça de danos sérios ou irreversíveis, a ausência de absoluta certeza científica não deve ser utilizada como razão para postergar medidas eficazes e economicamente viáveis para prevenir a degradação ambiental.”
O princípio não é obscurantista, não impõe a paralisia, e não configura censura inquisitorial. O Princípio da Precaução é PROATIVO. Recomenda postura corajosa face à incerteza do futuro. O precavido não se encolhe e, sim, implementa medidas “eficazes” e “economicamente viáveis” para “prevenir a degradação ambiental”, ainda que não haja certeza científica sobre o assunto a ser enfrentado.
O caminho para o precavido, na dúvida, é adotar a PREVENÇÃO e, não recolher-se à OMISSÃO.
A confusão entre precaução e omissão, ocorre, não raro, para encobrir a ignorância.
O Princípio da Prevenção
O Princípio da Prevenção está disposto nas duas Cartas de Princípios da Organização das Nações Unidas, firmadas na Conferência de Estocolmo, de 1972, e na Conferência do Rio de Janeiro, de 1992.
A prevenção está inserida nos Princípios 14, 15, 17 e 18 da Carta de 72, e Princípios 4, 8, 11, 14, 17, 18 e 19, da Carta de 92.
O Fórum Internacional de Direito Ambiental, realizado na cidade de Siena, na Itália, em 1990, concluiu que o modelo tradicional de controle administrativo do Estado – “reaja e corrija”, e sua consequente abordagem segmentada, torna-se complementar ao modelo “preveja e previna”, de abordagem integrada e melhor meio de tutela do ambiente.
Prever impactos e prevenir seus efeitos negativos, nas atividades humanas, constitui a razão do Princípio da Prevenção.
O Princípio é implementado por instrumentos eficazes, cronologicamente definidos: 1º, Mapeamento e inventário; 2º., Planejamento integrado; 3º., Ordenamento territorial; 4º., Licenciamento ambiental; 5º., Fiscalização e monitoramento; e 6º., Auditoria periódica.
Os três primeiros instrumentos são a razão de ser do Poder Público na aplicação do Princípio da Prevenção: “conhecer, decidir e ordenar”. Ordenado o território, deverá o Estado proceder a disposição territorial das atividades relacionadas ao planejamento.
O licenciamento ambiental permite ao Estado dispor as atividades levando em conta o conhecimento, o planejamento e o ordenamento territorial. Dispor atividades em determinado território envolve impacto ambiental e é no âmbito do licenciamento que os impactos devem ser avaliados. A AIA (Avaliação de Impacto Ambiental) configura mecanismo de suporte à decisão governamental, para autorizar ou não determinada atividade. A fiscalização configura atividade típica de controle territorial. Verifica se as atividades atendem normas, padrões e condicionantes. A auditoria periódica atesta essa conformidade.
Conclusão
O desconhecimento dos Princípios de Precaução e de Prevenção, politiza a implementação dos institutos e judicializa os conflitos ambientais no Direito Ambiental. É preciso iluminar o Princípio da Precaução, livrando-o do obscurantismo biocêntrico.  É necessário, da mesma forma, aplicar o Princípio da Prevenção respeitando a ordem de implementação de seus instrumentos.
Eliminada a confusão, ganha o Direito Ambiental Brasileiro.
Publicado em 28 de maio de 2013 no portal Última Instância. Para acessar o conteúdo original, clique aqui.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s