Regulação e recursos hídricos

A gestão  de nossos cursos d’água e mananciais se rege pela Lei Federal n. 9.433/1997 – Política Nacional de Recursos Hídricos, alterada pela Lei 9.984/2000 – norma que criou uma agência reguladora de âmbito nacional para todo o sistema, a Agência Nacional de Águas (ANA). A solução foi a correta, pois nossas bacias são geomorficamente interligadas, com clássicas exceções. Nosso relevo é acidentado, variando num mesmo bioma e em cada um deles, com diversas características de clima e altitude, resultando numa biodiversidade única no mundo. A regulação federal mais centralizada, no entanto, não se encontra devidamente articulada para resolver os conflitos de uso da água.
Nosso planejamento territorial é intrinsecamente conflituoso: A navegabilidade dos rios é obstruída por barragens de hidrelétricas, que enfrentam com terras indígenas ou preservação de florestas, que não raro esbarram nos projetos agrícolas e de mineração. Há impasses no uso intensivo do recurso que deveria, em grande parte, atender ao consumo das populações e ao saneamento, o qual, em nenhuma hipótese, paga o sistema.
Os conflitos de uso, não raro, envolvem os ministérios do Exterior, Transporte, Meio Ambiente, Agricultura, Minas e Energia, Forças Armadas e Justiça, e inúmeras agências e departamentos, como Funai, Antaq, ANTT, ANA, Ibama, DNPM, Iphan e SPU. Falta um marco legal regulatório que organize esse conflito, caso contrário, enfrentaremos um apagão hídrico, logístico e de saneamento sem precedentes. A sugestão é a elaboração de um plano nacional de integração das políticas de hidroeletricidade, termoeletricidade, hidrovias, irrigação e saneamento. O objetivo da avaliação ambiental estratégica será determinar fatores críticos de decisão a serem enfrentados pelos novos empreendimentos, além dos já em atividade; traçar diretrizes que confiram segurança jurídica, econômica e estrutural aos investimentos. Afora resgatar uma perspectiva estratégica para sair da cena que hoje se encontra. 
Escrito por Antônio Fernando Pinheiro Pedro.
Publicado no dia 13 de maio de 2013. Clique no link original aqui (apenas para assinantes).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s