Brasil recicla menos de 2% do potencial, diz especialista

O Brasil ainda tem 4 mil lixões e apenas 30% a 40% do total coletado no país são dispostos em aterros sanitários adequados

14/09/2012 – 18h28
Alana Gandra
Da Agência Brasil, no Rio de Janeiro
 
Além disso, a reciclagem  é muito baixa no Brasil, segundo o secretário da Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública, Antonio Simões Garcia. Ele informa que os serviços de aproveitamento de material descartado não transformam no país sequer 2% do volume que pode ser reciclado.
Garcia disse que estão “muito próximos da realidade” os números divulgados nesta sexta-feira (14) na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), segundo os quais apenas 40% do lixo separado dentro de casa pelos brasileiros são coletados seletivamente ao chegarem na rua.
Alex Cardoso, da coordenação nacional do Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis, acrescentou que, do total de lixões ainda existentes no Brasil, 1.700 mil estão na região Nordeste. “Chega a ter cidades com dois lixões”, informou. O movimento avalia que há grande mobilização da sociedade em torno da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que exige a coleta seletiva para municípios com mais de 30 mil habitantes.
Segundo Cardoso, no entanto, esse processo ainda é “tímido” no Brasil, “porque a política já tem dois anos e cerca de  40% dos municípios brasileiros ainda têm lixões e não dispõem de sistema de coleta seletiva”. O integrante do movimento lembra que, até 2014, os lixões terão que ser desativados. Segundo ele, com a  implantação da coleta seletiva e a desativação dos lixões, haverá também a inclusão dos catadores.
O movimento está preocupado com a disposição de alguns municípios de incinerar os resíduos para geração de energia. Alex Cardoso afirma  que  essa é uma atividade negativa. Além de ser uma tecnologia cara, não inclui os catadores e é prejudicial à saúde humana e ao meio ambiente, na medida em que libera gases causadores do efeito estufa.
Rita Sairi Kogachi Cortez, técnica do Instituto Gea, disse que o avanço do país em coleta do lixo “é  muito pequeno em relação ao número de resíduos gerados”. Ela ponderou, contudo, que o “despertar” da população está ocorrendo, porque as pessoas se  mostram interessadas em participar cada vez mais do processo de separar o seu lixo.
Segundo ela, é necessário que se criem  mais coletas e mais cooperativas de catadores, “para que a coisa possa caminhar melhor no Brasil”. O Instituto Gea é uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) que tem entre as finalidades assessorar a população a implantar programas de coleta seletiva de lixo e reciclagem.
A defesa dessa estratégia é compartilhada por André Vilhena, diretor do Compromisso Empresarial para Reciclagem, associação sem fins lucrativos dedicada à promoção da reciclagem com base no conceito de gerenciamento integrado do lixo. Ele disse que, nos últimos dois anos, desde a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, “houve um incremento significativo [das atividades de reciclagem], mas ainda muito longe do desejado”.
Vilhena comentou que, nesse período, cresceu o número de prefeituras oferecendo serviço de coleta seletiva ou ampliando o serviço onde já existia. O problema para a desativação dos lixões, segundo ele, é que a população brasileira se concentra nos grandes centros, em especial próximos ao litoral. “Se nós conseguirmos avançar nessas regiões de maior densidade populacional, com certeza nós vamos equacionar boa parte do problema”.
O diretor apontou que, para ter todo o território com a situação equacionada, existe a possibilidade de os municípios serem apoiados, por meio de financiamento do governo federal, para a formação de consórcios que vão elaborar os planos de resíduos e construir os aterros sanitários.
Segundo Vilhena, se forem formados 450 consórcios no Brasil, a questão será resolvida, “porque, em alguns Estados, um aterro sanitário pode atender até 150 municípios”. Para ele, a solução é a melhor também pelo ponto de vista econômico. “Não faz sentido você ter um aterro sanitário para municípios com dez mil ou 15 mil habitantes.”


Fonte: UOL NOTÍCIAS 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s