>SOCIOLOGIA MODERNA

>SOCIOLOGIA MODERNA

ANDRE ARRUDA

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

XEROX DATEM/DAEG = resenha

Sociologia é por excelência moderna, só há uma mais recente que outra.

Karl Marx, primeira metade sec XIX (base filosófica hegueliana) e F. Engels segunda metade do sec. XIX

Durkheim, pai da sociologia, positivista, cria a sociologia como ciência autônoma, trata de fenômenos sociais, conceitua esses fenômenos: igreja, política, direito. São dinâmicos nesse período do sec XIX, dinamizado pela maquina a vapor e estradas de ferro, diminui distancias, Marshal Makluan sobre diplomacia, texto chamado maquinas mídias, demora das informações permitia uma diplomacia mais ponderada, com o telegrafo noticias imediatas impactam sobre a diplomacia. Formas tecnológicas interferem na dinâmica social. Filosofia não está mais aparelhada para discutir essas questões. Fonte da sociologia é a filosofia política, neokantiana. Durkheim é conservador.

Weber mais liberal que o Durkheim. Mas mesmo assim centralista. Estado papel fundamental. Nação associada a idéia de estado. Identidade social construída. Marco criação da Republica Francesa, cria o conceito de cidadão Frances. Suprimi idéias de identidades locais em beneficio de uma nação burguesa. Império Frances. Obediência ao Estado, alistamento militar. Substituição do saber tradicional pelo saber científico. Mudança do papel da mulher que era transmissora do conhecimento. Quando o conhecimento passa a ser monopólio do Estado poder da Mulher decai.

Propriedade privada da sua própria vida = jusnaturalistas = Locke, Rousseau, Hobbes.

3 geracoes de direito
Direitos políticos, escola inglesa,
Direitos civis, conquistados quase junto com os direitos políticos. Principio da isonomia, igualdade de direitos e transparência da aplicação da justiça.
Direitos sociais, século XIX na Inglaterra, horário de trabalho, regulamentação do trabalho da mulher e da criança.

No Brasil conquistamos primeiro direitos políticos (parciais), depois sociais e direitos civis oscilam até hoje (policia que mata, sociedade que exclui).

Bibliografia
Um toque de clássicos, Ed UFMG, três autoras. (comprar pois vai ler inteiro)

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Milton Santos, documentário, Silvio Tendler

Consumo desenfreado é o verdadeiro fundamentalismo.

Há 3 tipos de globalização:
Globalização como nos fazem ver, fantasiosa, dinheiro como centro do mundo (no estado puro) independente do homem.
Globalização como o mundo é, globalização como perversidade
Globalização como o mundo pode ser, livro por uma outra globalizaçáo

Consenso de Washington para a America do Sul, fruto envenenado, única preocupação era a estabilidade financeira, negligenciado desenvolvimento social:
QUITO, 1991, REVOLTA PACHACUTI
COCHABAMBA na bolívia obrigou a desprivatização da água.
Bolívia nacionalização do gás
Argentina panelaço 2001

Divisão de trabalho desigual
Grandes empresas sem responsabilidade social
Filme corporation canadense

Lógica financeira nada tem a ver com a lógica da solidariedade.

Homo Davos = homem que faz fundos para amenizar a pobreza, mídia papel de mediação por meio de pequeno numero de agências que controla de maneira eficaz a interpretação do que está acontecendo no mundo.

Existem os fatos, as notícias são interpretações desses fatos.

Informação é grande instrumento de globaritarismo (totalitarismo da globalização).

Documentários Carlos Pronzato, argentino poeta, documenta movimentos diretamente na América do Sul.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Povos da floresta
Pela primeira vez convivemos com o futuro possível

A revanche da periferia
Adirley Santos cineasta periferia Ceilândia.
Rap é um cara da periferia a dar uma cara, identidade para a periferia.
Formas solidarias que tem expressão econômica e política.
Em contraposição ao fenômeno da violência.
Cultura era para privilegiados, outros faziam outra coisa, eles fazem é cultura e outra coisa.
Revanche da cultura popular sobre a cultura de massa. Exerce qualidade de discurso dos debaixo, exaltação da vida do dia a dia.

Período tecnológico do homem está acabando. Começa o período demográfico. Os atores que vão mudar a história são os de baixo. Os continentes pobres sobre os ricos. Haverá explosões aqui e aí impossisseis de conter é preciso rompante porque senão o estado não houve a gente.

Religiões aguerridas como os muçulmanos com forte arcabouço intelectual e moral faz parte desses rompantes. Índia religião do conhecimento que usa em favor de seu desenvolvimento. China planejamento de estado com economia de mercado.

Devemos recusar a condição de subordinação que a divisão do trabalho atual nos condena.

Eduardo Galeano = jornalista uruguaio vamos ser caricatura triste do mundo de fora sistema de poder que nos convencem que não há coisa melhor que imitar os ecos das vozes estrangeiras.

Nos recusamos a pensar como nós mesmos, queremos pensar como europeus e americanos, ficamos atarantados, não sabemos como fazer um mundo novo a partir de nós próprios.

Câmera serve de salvo conduto.

Ambiente hostil, mobilidade relativa.

Por uma outra ética
Segmentação do código ético. Ética dos poderosos ≠ ética dos que não tem nada ≠ ética dos desesperados que tomam o caminho da violência.

Mudança tem tradição histórica e esta ganhando forma de ação eficaz e alguns de nós decide apóia-los porque a ética que está incapaz de atender aos interesses da maioria.
Sem endereço a pessoa não tem nada não é ninguém. Filho sem comida é uma vergonha.

Não é democracia, é capitalismo, a pessoa passa a valer o que tem. Pode cortar os serviços básicos? Sem-terra tratados como caso de polícia não impede que alguns intelectuais apóiem a causa deles.

Aline Sassarrara, cineasta do MST. As pessoas acreditam que só está acontecendo aquilo que vêem na televisão.

Feita a revolução nas escolas o povo a fará nas ruas (Florestan Fernandes)

Marca é uma representação da solidariedade.

Vulcão crepitando que não temos as antenas para perceber. Não dominamos as formas novas de solidariedade.

Classe media não quer direito quer privilegio. Pobres não tem direitos. Nunca houve cidadania neste país. As formas tradicionais de democracia não convencem os mais pobres. Movimentos populares buscam alternativa para uma GLOBALIZACAO SOLIDARIA.

Toda forma de organização é forma de constrangimento de comportamentos.

SÓ A PARTIR DO ESTADO É POSSÍVEL FAZER A NOVO GLOBALIZAÇAO.
NÃO ADIANTA ONGS E TERCEIRO SETOR. Não são abarcativas, não podem cuidar de todos do conjunto das pessoas que precisam de cuidado. Terceiro setor cuida melhor de certos setores e não de outros setores.

Comentários André Arruda:
Conseqüência da dinâmica da globalização sobre as populações marginalizadas, sob perspectiva política. Milton Santos prega a liberdade de pensar = não me filio a nenhum partido, nem a corrente ideológica. Dinâmica do momento histórico em que vivemos. Entrevista do filme foi em 2001 = auge do liberalismo. 2010 o estado nunca esteve tão presente. Potencial inclusivo e político do audiovisual em rede. Âmbito prolífero do processo. Comunidade indígena que com um laptop consegue denunciar desmatamento para grupos do mundo e consegue mobilizar gente para parar o processo. Tecnologias mais democratizadas do que eram antes. A lógica não é a mesma do mainstream. A idéia é potencializar forcas locais, não é intenção rivalizar com Hollywood. Formas muito própria de ser estar em sociedade. Algo de novo e interessante que precisamos observar. Forças contra-hegemönicas cultura de massa passa a não ser a única referencia, passa a ser mais uma força de referencia. Cultura é campo de disputa. Vida em sociedade é um campo de disputa de signos e símbolos. Para nós no presente, olhando para o passado, projetarmos o futuro que queremos.

quinta-feira, 4 de março de 2010

BIBLIOGRAFIA
Um toque de clássicos. Ed. UFMG [Durkheim, Marx, Weber] vários autores org.
Etapas do pensamento sociológico autor Raymond Aron.
Marx in Clássicos da política Francisco Weffort, Ed Atica vol 2.

Século XVIII
PRIMEIRA REVOLUCAO INDUSTRIAL
ILUMINISMO
ABSOLUTISMO

Século XIX – 1800
SEGUNDA REVOLUÇAO INDUSTRIAL indústria química, elétrica, de petróleo e de aço. navios de aço movidos a vapor, o desenvolvimento do avião, a produção em massa de bens de consumo, o enlatamento de comidas, refrigeração mecânica e outras técnicas de preservação e a invenção do telefone eletromagnético (Telegrafo, Eletricidade, motor a vapor)
Fordismo, taylorismo.
UNIFICAÇOES = Estado-nação = Itália / Alemanha
Nacionalismos = 1848 Primavera dos Povos.
Positivismo
Imperialismo (economia, política…)
Napoleão = 1870 III República
Neocolonialismo (Inglaterra, Alemanha, França, Japão, EUA, Bélgica e Holanda) na África e Ásia.
Pax Britânica 100 anos de paz (1815 = Congresso de Viena até 1914 = primeira guerra)
Movimentos sociais (cartismo, ludismo, socialismo, anarquismo, comunismo)
Determinismo geográfico de Friedrich Ratzel

Stempunks

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Trabalho mudou de moradores de rua para estilistas da favela

Marx
Conceitos chave: dialética e materialismo
Divisão do trabalho reflete a sociedade.

Manifesto Comunista.
O Manifesto sugere um curso de ação para uma revolução socialista através da tomada do poder pelos proletários.

Marx e Engels partem de uma análise histórica, distinguindo as várias formas de opressão social durante os séculos e situa a burguesia moderna como nova classe opressora. Não deixa, porém, de citar seu grande papel revolucionário, tendo destruído o poder monárquico e religioso valorizando a liberdade econômica extremamente competitiva e um aspecto monetário frio em detrimento das relações pessoais e sociais, assim tratando o operário como uma simples peça de trabalho. Este aspecto juntamente com os recursos de aceleração de produção (tecnologia e divisão do trabalho) destrói todo atrativo para o trabalhador, deixando-o completamente desmotivado e contribuindo para a sua miserabilidade e coisificação. Além disso, analisa o desenvolvimento de novas necessidades tecnológicas na indústria e de novas necessidades de consumo impostas ao mercado consumidor.

Afirmam sobre o proletariado: “Sua luta contra a burguesia começa com sua própria existência”. O operariado, tomando consciência de sua situação, tende a se organizar e lutar contra a opressão, e ao tomar conhecimento do contexto social e histórico onde está inserido, especifica seu objetivo de luta. Sua organização é ainda maior pois toma um caráter transnacional, já que a subjugação ao capital despojou-o de qualquer nacionalismo. Outro ponto que legitima a justiça na vitória do proletariado seria de que este, após vencida a luta de classes, não poderia legitimar seu poder sob forma de opressão, pois defende exatamente o interesse da grande maioria: a abolição da propriedade(“Os proletários nada têm de seu para salvaguardar”).

O Manifesto Comunista faz uma dura crítica ao modo de produção capitalista e na forma como a sociedade se estruturou através desse modo. Busca organizar o proletariado como classe social capaz de reverter sua precária situação e descreve os vários tipos de pensamento comunista, assim como define o objetivo e os princípios do socialismo científico.

A exclusividade entre os proletários conscientes, portanto comunistas, segundo Marx e Engels, é de que visam a abolição da propriedade privada e lutam embasados num conhecimento histórico da organização social, são portanto revolucionários. Além disso, destaca que o comunismo não priva o poder de apropriação dos produtos sociais; apenas elimina o poder de subjugar o trabalho alheio por meio dessa apropriação. Com o desenvolvimento do socialismo a divisão em classes sociais desapareceria e o poder público perderia seu caráter opressor, enfim seria instaurada uma sociedade comunista.

No terceiro capítulo, analisa e critica três tipos de socialismo. O socialismo reacionário, que seria uma forma de a elite conquistar a simpatia do povo, e mesmo tendo analisado as grandes contradições da sociedade, olhava-as do ponto de vista burguês e procurava manter as relações de produção e de troca; o socialismo conservador, com seu caráter reformador e anti-revolucionário; e o socialismo utópico, que apesar de fazer uma análise crítica da situação operária não se apoia em luta política, tornando a sociedade comunista inatingível.

Por fim, no quarto capítulo fecha com as principais ideias do Manifesto, com destaque na questão da propriedade privada e motivando a união entre os operários. Acentua a união transnacional, em detrimento do nacionalismo esbanjado pelas nações, como manifestado na célebre frase: “Proletários de todo o mundo, uni-vos!”

Agenda a diante:
29/4 Weber “os 3 tipos publicos de dominação legítima
6/5 Durkheim “intr. E cap 1 o que é um fato social”. As regras do método sociológico
13/5 Durkheim suicídio definição do problema do livro suicídio
20/5 engels as classes trabalhadoras da Gra Bretanha
27/5 Weber a objetividade
10/6 Marx salário preço e lucro e Weber religião e racionalidade economica

KARL MARX
MATERIALISMO HISTÓRICO

Karl Marx nasceu em 1818.
Com a derrota das revoluçoes sociais de 1848, publicou o Manifesto Comunista e ajudou a organizar a primeira internacional.

Não existia ainda sociologia mas Marx inicia conceitos sociais importantes

Leitura critica da filosofia de Hegel, Marx absorveu e aplicou de modo peculiar o Método Dialético (o caráter idealista substituído pelo materialismo dialético).
Inaugura a temática do gênero. Só vai existir igualdade e fraternidade se a mulher for elevada a qualidade de cidadã plena. Na obra Do Suicídio de Marx (antes da de Durkheim) retrata abuso sexual de tutor e de situação de cárcere privado e de perda de virgindade antes de casar. Peso da tradição e do costume para subjugar as mulheres que a via do suicídio era inescapável. Problemática de gênero é primeiro autor a levantar esse problema. Para revolução é preciso antes haver igualdade entre homens e mulheres. Modo de produção capitalista lega a burguesia o status de poder político. Estudo histórico sempre quem detém meios de produção detém o poder de fato. História da humanidade é o histórico da luta de classes. Dialética forma de pensar desde gregos, depois Hegel, sobre as contradições dominantes na sociedade. Marx mostra evidências históricas. Por isso materialismo histórico. Escravização por guerras, conquistas, dívidas. Assalariamento é o refinamento da exploração do trabalho pelo capital.

Critica a obra dos economistas clássicos Adam Smith exército de reserva e David Ricardo. Prefere ganhar pouco ou morrer de fome? Suas obras fazem discussão politico-economico. Outra forma de organização do trabalho internacionalização do capitalismo, sob hegemonia do capital burgues.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

MARX

A medida que capitalismo industrial se estabelece como o modo de produção da sociedade ele impossibilita outras formas de organização da sociedade como por exemplo campesinato e artezãos. Impossível concorrer. Na impossibilidade socio economica histórica de sobrevivência do artezão e do camponês nova forma de organização do trabalho. Essa massa de artezãos e camponeses vai ser assalariada paga por jornada e horas não por produção. Horas de trabalho se transforma em bem. A força de trabalho por doze horas é do empregador. Linha de produção, não qualificada, exercito industrial de reserva, massa de desempregados imensa, pode pagar o que quiser. Maximização dos lucros é por meio da apropriação da mais valia.

Alienação capitalismo separou o trabalhador dos meios de produção.

Industriallização, assalariamento e propriedade privada eram as bases da alienação econômica.

Classes sociais, desigualdades sociais provocadas pelas relações de produção capitalista. Estas relações resultam em antagonismos, exploração e complementaridade entre as classes sociais. Mesma classe social compartilham mesmo poder de consumo, mesma condição de existência, compartilham valores comportamentos regras de convivência e interesses

Seminário sobre Weber
Tipos de dominação legítima: hierárquica, Dominação legal; disciplina de serviço, burocracia, chefes e subordinados. Dominação tradicional, no período feudal, pai, eleita pelo sentimento não por obrigação, se dedica por proteção ou por comodidade a esse senhor. Dominação carismática, relação afetiva, faculdades mágicas, heroísmo, extracotidiano, dominação do profeta, do guerreiro e do demagogo,
Estado nacional e política econômica. Raças. Poloneses católicos na camada economica e social mais baixa que os alemães luteranos. Construção da germanidade. Vamos assimilar os eslavos na germanidade. Classes são adaptaveis, sobreviverá a classe mais adaptada. Quando a sociedade perde a capacidade adaptativa é por condições de vida, organizações sociais ou por características sociais. Limites da variabilide: fechamento da fronteira oriental, não deixava estrangeiro entrar e compra sistemática de terras pelo estado. Weber tem uma visão burguesa. Se percebe como herdeiro de uma era gloriosa (governo de Bismark).

quinta-feira, 13 de maio de 2010

grupo no poder é hegemônico e com ele uma ideologia dominante.
Para Marx proletário adota ideologia da burguesia, porque não adquiriu a consciencia de classe. Quando tiver essa consciencia saberá que os interesses e valores da burguesia não lhe cabem.

SUICÍDIO DURKEIM
Altruista,
Egoista
Anômico, ricos tem mais vontade de se suicidar, porque pobres não tem muito para se frustrar e a religião exalta a pobreza. Rico sempre espera mais e mais. Insatisfação é grande causa de suicídio. Anomia quer dizer perda de objetivo e de razão de vida, quando a sociedade não está presente no indivíduo.

Importante é que suicidiu tem influência social, é um fenômeno social.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

MAX WEBER
A ética protestante e o espírito do capitalismo.
Acão dos indivíduos em sociedade suas motivações religiosas e consequencias capitalisticas estao no cerne da análise. Sociologia da religiao, da economia, da racionalidade como ela motiva de forma diferenciada. DESENCANTAMENTO DO MUNDO. Predominancia da ciencia e da racionalidade científica sobre a religião e o pensame to mágico. Escalada da burguesia e do capitalismo no decorrer do sec XVI e XVII a partir da reforma religiosa. Comunidades morais contribuindo para novas práticas éticas, novas formas de estar no mundo. Nova possibilidade de compreensão das escrituras. Calvino lutero, jonh wesley e outros como conduzir-se no campo do trabalho e na lógica econômica. Transformar prática religiosa de fora do mundo (nos mosteiros) para intramundo, no mundo, a mercê das tentacoes quotidianas. No capitalismo usura no protestantismo lucro permitido, não pode ter não trabalho, trabalho é exercício da fé. Idéia da vocação fiel buscando para que serve a deus e alcança o êxito capitalistico. Consequencias nao previstas de mesclar conceitos morais com práticas cotidianas = maior possibilidade de êxito capitalista. Promove acúmulo de poupança necessário para investir no avanço industrial 2 séculos depois, o que não acontece nos países católicos. Refuta positivismo: ordem e determinismo moral predominante.

Temas recorrentes em Weber
Cultura
Nação
Luta pelo poder. Burguesia precisa estar na política. Nobreza está presente na política até a 1ª. Guerra.
Burocracia

TEORIA DA AÇÃO SOCIAL
Uma ação com sentido. O objetivo da sociologia é a investigação sobre a ação social. Individuo age motivado por alguma coisa pretende que ações consigam um certo resultado. Motivo ação efeitos em todas as sociedades. Categorias sociológicas são ferramentas boas para discutir a sociedade de todo o mundo. Motivação regras morais. Ação muda as motivações a moral muda porque a sociedade passou a agir de forma diferente.

TIPOLOGIA DA AÇÃO SOCIAL DE WEBER
RACIONAL motivada pelas finalidades
RACIONAL com relação a valores dever dignidade crenças beleza causa
AFETIVA emotiva sentimentos paixooes
TRADICIONAL costumes arraiigados.

>SOCIOLOGIA MODERNA

>SOCIOLOGIA MODERNA

ANDRE ARRUDA

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

XEROX DATEM/DAEG = resenha

Sociologia é por excelência moderna, só há uma mais recente que outra.

Karl Marx, primeira metade sec XIX (base filosófica hegueliana) e F. Engels segunda metade do sec. XIX

Durkheim, pai da sociologia, positivista, cria a sociologia como ciência autônoma, trata de fenômenos sociais, conceitua esses fenômenos: igreja, política, direito. São dinâmicos nesse período do sec XIX, dinamizado pela maquina a vapor e estradas de ferro, diminui distancias, Marshal Makluan sobre diplomacia, texto chamado maquinas mídias, demora das informações permitia uma diplomacia mais ponderada, com o telegrafo noticias imediatas impactam sobre a diplomacia. Formas tecnológicas interferem na dinâmica social. Filosofia não está mais aparelhada para discutir essas questões. Fonte da sociologia é a filosofia política, neokantiana. Durkheim é conservador.

Weber mais liberal que o Durkheim. Mas mesmo assim centralista. Estado papel fundamental. Nação associada a idéia de estado. Identidade social construída. Marco criação da Republica Francesa, cria o conceito de cidadão Frances. Suprimi idéias de identidades locais em beneficio de uma nação burguesa. Império Frances. Obediência ao Estado, alistamento militar. Substituição do saber tradicional pelo saber científico. Mudança do papel da mulher que era transmissora do conhecimento. Quando o conhecimento passa a ser monopólio do Estado poder da Mulher decai.

Propriedade privada da sua própria vida = jusnaturalistas = Locke, Rousseau, Hobbes.

3 geracoes de direito
Direitos políticos, escola inglesa,
Direitos civis, conquistados quase junto com os direitos políticos. Principio da isonomia, igualdade de direitos e transparência da aplicação da justiça.
Direitos sociais, século XIX na Inglaterra, horário de trabalho, regulamentação do trabalho da mulher e da criança.

No Brasil conquistamos primeiro direitos políticos (parciais), depois sociais e direitos civis oscilam até hoje (policia que mata, sociedade que exclui).

Bibliografia
Um toque de clássicos, Ed UFMG, três autoras. (comprar pois vai ler inteiro)

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Milton Santos, documentário, Silvio Tendler

Consumo desenfreado é o verdadeiro fundamentalismo.

Há 3 tipos de globalização:
Globalização como nos fazem ver, fantasiosa, dinheiro como centro do mundo (no estado puro) independente do homem.
Globalização como o mundo é, globalização como perversidade
Globalização como o mundo pode ser, livro por uma outra globalizaçáo

Consenso de Washington para a America do Sul, fruto envenenado, única preocupação era a estabilidade financeira, negligenciado desenvolvimento social:
QUITO, 1991, REVOLTA PACHACUTI
COCHABAMBA na bolívia obrigou a desprivatização da água.
Bolívia nacionalização do gás
Argentina panelaço 2001

Divisão de trabalho desigual
Grandes empresas sem responsabilidade social
Filme corporation canadense

Lógica financeira nada tem a ver com a lógica da solidariedade.

Homo Davos = homem que faz fundos para amenizar a pobreza, mídia papel de mediação por meio de pequeno numero de agências que controla de maneira eficaz a interpretação do que está acontecendo no mundo.

Existem os fatos, as notícias são interpretações desses fatos.

Informação é grande instrumento de globaritarismo (totalitarismo da globalização).

Documentários Carlos Pronzato, argentino poeta, documenta movimentos diretamente na América do Sul.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Povos da floresta
Pela primeira vez convivemos com o futuro possível

A revanche da periferia
Adirley Santos cineasta periferia Ceilândia.
Rap é um cara da periferia a dar uma cara, identidade para a periferia.
Formas solidarias que tem expressão econômica e política.
Em contraposição ao fenômeno da violência.
Cultura era para privilegiados, outros faziam outra coisa, eles fazem é cultura e outra coisa.
Revanche da cultura popular sobre a cultura de massa. Exerce qualidade de discurso dos debaixo, exaltação da vida do dia a dia.

Período tecnológico do homem está acabando. Começa o período demográfico. Os atores que vão mudar a história são os de baixo. Os continentes pobres sobre os ricos. Haverá explosões aqui e aí impossisseis de conter é preciso rompante porque senão o estado não houve a gente.

Religiões aguerridas como os muçulmanos com forte arcabouço intelectual e moral faz parte desses rompantes. Índia religião do conhecimento que usa em favor de seu desenvolvimento. China planejamento de estado com economia de mercado.

Devemos recusar a condição de subordinação que a divisão do trabalho atual nos condena.

Eduardo Galeano = jornalista uruguaio vamos ser caricatura triste do mundo de fora sistema de poder que nos convencem que não há coisa melhor que imitar os ecos das vozes estrangeiras.

Nos recusamos a pensar como nós mesmos, queremos pensar como europeus e americanos, ficamos atarantados, não sabemos como fazer um mundo novo a partir de nós próprios.

Câmera serve de salvo conduto.

Ambiente hostil, mobilidade relativa.

Por uma outra ética
Segmentação do código ético. Ética dos poderosos ≠ ética dos que não tem nada ≠ ética dos desesperados que tomam o caminho da violência.

Mudança tem tradição histórica e esta ganhando forma de ação eficaz e alguns de nós decide apóia-los porque a ética que está incapaz de atender aos interesses da maioria.
Sem endereço a pessoa não tem nada não é ninguém. Filho sem comida é uma vergonha.

Não é democracia, é capitalismo, a pessoa passa a valer o que tem. Pode cortar os serviços básicos? Sem-terra tratados como caso de polícia não impede que alguns intelectuais apóiem a causa deles.

Aline Sassarrara, cineasta do MST. As pessoas acreditam que só está acontecendo aquilo que vêem na televisão.

Feita a revolução nas escolas o povo a fará nas ruas (Florestan Fernandes)

Marca é uma representação da solidariedade.

Vulcão crepitando que não temos as antenas para perceber. Não dominamos as formas novas de solidariedade.

Classe media não quer direito quer privilegio. Pobres não tem direitos. Nunca houve cidadania neste país. As formas tradicionais de democracia não convencem os mais pobres. Movimentos populares buscam alternativa para uma GLOBALIZACAO SOLIDARIA.

Toda forma de organização é forma de constrangimento de comportamentos.

SÓ A PARTIR DO ESTADO É POSSÍVEL FAZER A NOVO GLOBALIZAÇAO.
NÃO ADIANTA ONGS E TERCEIRO SETOR. Não são abarcativas, não podem cuidar de todos do conjunto das pessoas que precisam de cuidado. Terceiro setor cuida melhor de certos setores e não de outros setores.

Comentários André Arruda:
Conseqüência da dinâmica da globalização sobre as populações marginalizadas, sob perspectiva política. Milton Santos prega a liberdade de pensar = não me filio a nenhum partido, nem a corrente ideológica. Dinâmica do momento histórico em que vivemos. Entrevista do filme foi em 2001 = auge do liberalismo. 2010 o estado nunca esteve tão presente. Potencial inclusivo e político do audiovisual em rede. Âmbito prolífero do processo. Comunidade indígena que com um laptop consegue denunciar desmatamento para grupos do mundo e consegue mobilizar gente para parar o processo. Tecnologias mais democratizadas do que eram antes. A lógica não é a mesma do mainstream. A idéia é potencializar forcas locais, não é intenção rivalizar com Hollywood. Formas muito própria de ser estar em sociedade. Algo de novo e interessante que precisamos observar. Forças contra-hegemönicas cultura de massa passa a não ser a única referencia, passa a ser mais uma força de referencia. Cultura é campo de disputa. Vida em sociedade é um campo de disputa de signos e símbolos. Para nós no presente, olhando para o passado, projetarmos o futuro que queremos.

quinta-feira, 4 de março de 2010

BIBLIOGRAFIA
Um toque de clássicos. Ed. UFMG [Durkheim, Marx, Weber] vários autores org.
Etapas do pensamento sociológico autor Raymond Aron.
Marx in Clássicos da política Francisco Weffort, Ed Atica vol 2.

Século XVIII
PRIMEIRA REVOLUCAO INDUSTRIAL
ILUMINISMO
ABSOLUTISMO

Século XIX – 1800
SEGUNDA REVOLUÇAO INDUSTRIAL indústria química, elétrica, de petróleo e de aço. navios de aço movidos a vapor, o desenvolvimento do avião, a produção em massa de bens de consumo, o enlatamento de comidas, refrigeração mecânica e outras técnicas de preservação e a invenção do telefone eletromagnético (Telegrafo, Eletricidade, motor a vapor)
Fordismo, taylorismo.
UNIFICAÇOES = Estado-nação = Itália / Alemanha
Nacionalismos = 1848 Primavera dos Povos.
Positivismo
Imperialismo (economia, política…)
Napoleão = 1870 III República
Neocolonialismo (Inglaterra, Alemanha, França, Japão, EUA, Bélgica e Holanda) na África e Ásia.
Pax Britânica 100 anos de paz (1815 = Congresso de Viena até 1914 = primeira guerra)
Movimentos sociais (cartismo, ludismo, socialismo, anarquismo, comunismo)
Determinismo geográfico de Friedrich Ratzel

Stempunks

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Trabalho mudou de moradores de rua para estilistas da favela

Marx
Conceitos chave: dialética e materialismo
Divisão do trabalho reflete a sociedade.

Manifesto Comunista.
O Manifesto sugere um curso de ação para uma revolução socialista através da tomada do poder pelos proletários.

Marx e Engels partem de uma análise histórica, distinguindo as várias formas de opressão social durante os séculos e situa a burguesia moderna como nova classe opressora. Não deixa, porém, de citar seu grande papel revolucionário, tendo destruído o poder monárquico e religioso valorizando a liberdade econômica extremamente competitiva e um aspecto monetário frio em detrimento das relações pessoais e sociais, assim tratando o operário como uma simples peça de trabalho. Este aspecto juntamente com os recursos de aceleração de produção (tecnologia e divisão do trabalho) destrói todo atrativo para o trabalhador, deixando-o completamente desmotivado e contribuindo para a sua miserabilidade e coisificação. Além disso, analisa o desenvolvimento de novas necessidades tecnológicas na indústria e de novas necessidades de consumo impostas ao mercado consumidor.

Afirmam sobre o proletariado: “Sua luta contra a burguesia começa com sua própria existência”. O operariado, tomando consciência de sua situação, tende a se organizar e lutar contra a opressão, e ao tomar conhecimento do contexto social e histórico onde está inserido, especifica seu objetivo de luta. Sua organização é ainda maior pois toma um caráter transnacional, já que a subjugação ao capital despojou-o de qualquer nacionalismo. Outro ponto que legitima a justiça na vitória do proletariado seria de que este, após vencida a luta de classes, não poderia legitimar seu poder sob forma de opressão, pois defende exatamente o interesse da grande maioria: a abolição da propriedade(“Os proletários nada têm de seu para salvaguardar”).

O Manifesto Comunista faz uma dura crítica ao modo de produção capitalista e na forma como a sociedade se estruturou através desse modo. Busca organizar o proletariado como classe social capaz de reverter sua precária situação e descreve os vários tipos de pensamento comunista, assim como define o objetivo e os princípios do socialismo científico.

A exclusividade entre os proletários conscientes, portanto comunistas, segundo Marx e Engels, é de que visam a abolição da propriedade privada e lutam embasados num conhecimento histórico da organização social, são portanto revolucionários. Além disso, destaca que o comunismo não priva o poder de apropriação dos produtos sociais; apenas elimina o poder de subjugar o trabalho alheio por meio dessa apropriação. Com o desenvolvimento do socialismo a divisão em classes sociais desapareceria e o poder público perderia seu caráter opressor, enfim seria instaurada uma sociedade comunista.

No terceiro capítulo, analisa e critica três tipos de socialismo. O socialismo reacionário, que seria uma forma de a elite conquistar a simpatia do povo, e mesmo tendo analisado as grandes contradições da sociedade, olhava-as do ponto de vista burguês e procurava manter as relações de produção e de troca; o socialismo conservador, com seu caráter reformador e anti-revolucionário; e o socialismo utópico, que apesar de fazer uma análise crítica da situação operária não se apoia em luta política, tornando a sociedade comunista inatingível.

Por fim, no quarto capítulo fecha com as principais ideias do Manifesto, com destaque na questão da propriedade privada e motivando a união entre os operários. Acentua a união transnacional, em detrimento do nacionalismo esbanjado pelas nações, como manifestado na célebre frase: “Proletários de todo o mundo, uni-vos!”

Agenda a diante:
29/4 Weber “os 3 tipos publicos de dominação legítima
6/5 Durkheim “intr. E cap 1 o que é um fato social”. As regras do método sociológico
13/5 Durkheim suicídio definição do problema do livro suicídio
20/5 engels as classes trabalhadoras da Gra Bretanha
27/5 Weber a objetividade
10/6 Marx salário preço e lucro e Weber religião e racionalidade economica

KARL MARX
MATERIALISMO HISTÓRICO

Karl Marx nasceu em 1818.
Com a derrota das revoluçoes sociais de 1848, publicou o Manifesto Comunista e ajudou a organizar a primeira internacional.

Não existia ainda sociologia mas Marx inicia conceitos sociais importantes

Leitura critica da filosofia de Hegel, Marx absorveu e aplicou de modo peculiar o Método Dialético (o caráter idealista substituído pelo materialismo dialético).
Inaugura a temática do gênero. Só vai existir igualdade e fraternidade se a mulher for elevada a qualidade de cidadã plena. Na obra Do Suicídio de Marx (antes da de Durkheim) retrata abuso sexual de tutor e de situação de cárcere privado e de perda de virgindade antes de casar. Peso da tradição e do costume para subjugar as mulheres que a via do suicídio era inescapável. Problemática de gênero é primeiro autor a levantar esse problema. Para revolução é preciso antes haver igualdade entre homens e mulheres. Modo de produção capitalista lega a burguesia o status de poder político. Estudo histórico sempre quem detém meios de produção detém o poder de fato. História da humanidade é o histórico da luta de classes. Dialética forma de pensar desde gregos, depois Hegel, sobre as contradições dominantes na sociedade. Marx mostra evidências históricas. Por isso materialismo histórico. Escravização por guerras, conquistas, dívidas. Assalariamento é o refinamento da exploração do trabalho pelo capital.

Critica a obra dos economistas clássicos Adam Smith exército de reserva e David Ricardo. Prefere ganhar pouco ou morrer de fome? Suas obras fazem discussão politico-economico. Outra forma de organização do trabalho internacionalização do capitalismo, sob hegemonia do capital burgues.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

MARX

A medida que capitalismo industrial se estabelece como o modo de produção da sociedade ele impossibilita outras formas de organização da sociedade como por exemplo campesinato e artezãos. Impossível concorrer. Na impossibilidade socio economica histórica de sobrevivência do artezão e do camponês nova forma de organização do trabalho. Essa massa de artezãos e camponeses vai ser assalariada paga por jornada e horas não por produção. Horas de trabalho se transforma em bem. A força de trabalho por doze horas é do empregador. Linha de produção, não qualificada, exercito industrial de reserva, massa de desempregados imensa, pode pagar o que quiser. Maximização dos lucros é por meio da apropriação da mais valia.

Alienação capitalismo separou o trabalhador dos meios de produção.

Industriallização, assalariamento e propriedade privada eram as bases da alienação econômica.

Classes sociais, desigualdades sociais provocadas pelas relações de produção capitalista. Estas relações resultam em antagonismos, exploração e complementaridade entre as classes sociais. Mesma classe social compartilham mesmo poder de consumo, mesma condição de existência, compartilham valores comportamentos regras de convivência e interesses

Seminário sobre Weber
Tipos de dominação legítima: hierárquica, Dominação legal; disciplina de serviço, burocracia, chefes e subordinados. Dominação tradicional, no período feudal, pai, eleita pelo sentimento não por obrigação, se dedica por proteção ou por comodidade a esse senhor. Dominação carismática, relação afetiva, faculdades mágicas, heroísmo, extracotidiano, dominação do profeta, do guerreiro e do demagogo,
Estado nacional e política econômica. Raças. Poloneses católicos na camada economica e social mais baixa que os alemães luteranos. Construção da germanidade. Vamos assimilar os eslavos na germanidade. Classes são adaptaveis, sobreviverá a classe mais adaptada. Quando a sociedade perde a capacidade adaptativa é por condições de vida, organizações sociais ou por características sociais. Limites da variabilide: fechamento da fronteira oriental, não deixava estrangeiro entrar e compra sistemática de terras pelo estado. Weber tem uma visão burguesa. Se percebe como herdeiro de uma era gloriosa (governo de Bismark).

>RESUMO DO LIVRO UM TOQUE DE CLÁSSICOS

>RESUMO DO LIVRO UM TOQUE DE CLÁSSICOS

Referência:
QUINTANEIRO, Tania; BARBOSA, Maria Ligia de Oliveira; OLIVEIRA, Márcia Gardênia de. Um toque de clássicos: marx, durkheim e weber. 2. ed., rev. e ampl Belo Horizonte, MG: Ed. UFMG, 2002. 168 p. ; 23 cm ISBN 8570413173

MONTESQUIEU
Charles Louis de Secondat, Barão de la Brède e de Montesquieu, filósofo político de grande impacto osbre as ciencias sociais, tendo lançado mao do CONHECIMENTO HISTÓRICO E EMPÍRICO para fundar seus argumentos, DISTANCIANDO-SE, ASSIM DO RACIOCÍNIO HIPOTÉTICO-DEDUTIVO característico dos contratualistas.

SAINT-SIMON
Claude Henri de Rouvroy, conde de Saint-Simon (1760-1825), um dos primeiros a dar-se conta da inutilidade da aristocracia no contexto da nova sociedade. Um dos fundamentos da análise sociológica de Saint-Simon é a existência de classes sociais dotadas de interesses conflitantes. Segundo ele industriais franceses deveriam mandar uma carta ao rei pedindo que ele os livrasse dos ultramonarquistas e bonapartistas dizendo: “somos as abelhas, livrai-nos dos zangões”. Chamou a sociologia de Fisiologia Social, cujo objeto seria a ação humana incessante, transformadora do meio, e cujo método seria o positivo das ciencias físicas. A sociedade não seria um simples aglomerado de seres vivos cujas ações, independentes de toda finalidade não têm outra razão que a arbitrariedade das vontades individuais, mas um verdadeiro ser animado, mais ou menos vigoroso, a cujas partes corrresponderiam distintas funções. A base da sociedade é a produção material a divisão do trabalho a propriedade. As vidas individuais seriam as engrenagens que contribuem para o progresso da civilização. A cada tipo de estrutura social corresponde uma moral e, na sociedade industrial, ela se vincula à produção e ao trabalho. A luta entre as classes militar ou feudal e a industrial resultaria na vitória desta última e, a partir daí, constituir-se-ia uam sociedade de trabalhadores. Posteriormente ele modificará sua visão idílica e passará a criticar os patrões que parasitam os operários.
A CADA UM, SEGUNDO SUAS CAPACIDADES, E A CADA CAPACIDADE, SEGUNDO SUAS OBRAS. Uma ciência social positiva revelaria as leis do desenvolvimento da história, permitindo uma organização racional da sociedade.

AUGUSTE COMTE
CUNHOU O TERMO SOCIOLOGIA
Auguste Comte (1798-1857) considerado o fundador da Sociologia. CIÊNCIA, DAÍ PREVIDÊNCIA, PREVIDÊNCIA, DAÍ AÇÃO, tratava-se de conhecer as leis sociais para poder prever racionalmente os fenômenos e agir com eficácia; explicar e antever, combinando a estabilidade e a atividade, as necessidades simultâneas de ordem e progresso, condições fundamentais da civilização moderna. Filosofia positiva com pretensão de organizar e não de destruir a sociedade como a filosofia negativa. Comte rejeitava a concepção contratualista de que a sociedade é formada de indivíduos, para ele o homem não existe, só existe a Humanidade, já que o nosso desenvolvimento provém da sociedade. O individualismo é, portanto, uma construção do pensamento pré-positivo, do espírito teológico-metafísico. Contrariamente às concepções iluministas e racionalistas do direito individual, Comte acreditava que ninguém possui o direito senão de cumprir sempre o seu dever. A ordem, base das sociedades que alcançam o estado positivo, baseia-se no consenso moral, na autoridade.

HERBERT SPENCER (1820-1903)
DARWINISMO SOCIAL adaptou a teoria evolucionista, usando analogias entre socidade e organismos. Sendo os indivíduos – unidades elementares – organismos sujeitos às leis biológicas, o arranjo e a distribuição das funções reguladoras da convivência social estariam submetidos às mesmas leis do mundo natural. O modelo de relações que a caracteriza é o contrato, porque os indivíduos procuram associar-se na busca da própria felicidade ou graças ao seu autointeresse, e o tipo de ordem daí resultante é utilitário.

IDEALISMO HEGELIANO
Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831): tudo que é real é racional, e tudo o que é racional é real”. A realidade histórica desenvolve-se enquanto manifestação da razão, num processo incessante de autosuperação desencadeado pelo conflito e pela contradição que lhe são inerentes. Tal é o movimento dialético, esse caminho que produz a si mesmo. O finito deve ser apreendido a partir do seu oposto, o infinito, o universal, e é essa relação entre o particular e a totalidade que Hegel denomian unidade dialética. Aplicada aos fenômenos historicamente produzidos, a ótica dialética cuida de apontar as contradições constitutivas da vida social que resultam na negação e superação de uma determinada ordem. CONSCIENCIA ALIENADA, separada da realidade, a consciencia de si como natureza dividada: perda de autocontrole por parte dos seres humananos, subjugados pela sua própria criação: a riqueza da vida material e seus refinamentos. Ser livre significa recuperar a autoconsciencia, e a história dos povos é o processo através do qual a Razão alcança progressivamente esse destino.

LUDWIG FEUERBACH (1804-1872)
Alienação fundamental tem suas raízes no fenômeno religioso, que cinde a natureza humana, fazendo com que os homens se submentam a forças divinas, as quais, embora criadas por eles próprios, são percebidads como autônomas e superiores. Mundo religioso projeção fantástica da mente humana, por isso mesmo alienada.

KARL MARX
“O trabalhador é tanto mais pobre quanto mais riqueza produz … a desvalorização do mundo humano cresce na razão direta da valorização do mundo das coisas. O trabalho não apenas produr mercadorias, produz também a si mesmo e ao operário como mercadoria…”
Herdeiro de um ideário iluminista, Marx acreditava que a razão era não só um instrumento de apreensão da realidade, mas também de contrução de uma sociedade mais justa, capaz de possibilitar a realização de todo o potencial de perfectibilidade existente.
Teoria marxista articula a dialética e o materialismo sob uma perspectiva histórica, negando, assim, tanto o idealismo hegeliano quanto o materialismo dos neo-hegelianos.
Marx e Engels questionam o materialismo feurbachiano que se limitava a captar o mundo como objeto de contemplação e não como resultado da ação humana. Por isso, não fora capaz de vê-lo como passível de transformação por atividade revolucionária ou crítico-prática.
Enquanto para Hegel a história da humanidade nada mais é do que a história do desenvolvimento do Espírito, Marx e Engels colocam como ponto de partida. Posteriormente esse método de abordagem foi chamado de MATERIALISMO HISTÓRICO: as relaçãoes materiais que os homens estabelecem e o modo como produzem seus meios de vida formama a base de todas as suas relações. As formas econômicas sob as quais os homens produzem, consomem e trocam são transitórias e históricas.

NECESSIDADES DE PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO

SOCIOLOGIA MODERNA

SOCIOLOGIA MODERNA

ANDRE ARRUDA

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

XEROX DATEM/DAEG = resenha

Sociologia é por excelência moderna, só há uma mais recente que outra.

Karl Marx, primeira metade sec XIX (base filosófica hegueliana) e F. Engels segunda metade do sec. XIX

Durkheim, pai da sociologia, positivista, cria a sociologia como ciência autônoma, trata de fenômenos sociais, conceitua esses fenômenos: igreja, política, direito. São dinâmicos nesse período do sec XIX, dinamizado pela maquina a vapor e estradas de ferro, diminui distancias, Marshal Makluan sobre diplomacia, texto chamado maquinas mídias, demora das informações permitia uma diplomacia mais ponderada, com o telegrafo noticias imediatas impactam sobre a diplomacia. Formas tecnológicas interferem na dinâmica social. Filosofia não está mais aparelhada para discutir essas questões. Fonte da sociologia é a filosofia política, neokantiana. Durkheim é conservador.

Weber mais liberal que o Durkheim. Mas mesmo assim centralista. Estado papel fundamental. Nação associada a idéia de estado. Identidade social construída. Marco criação da Republica Francesa, cria o conceito de cidadão Frances. Suprimi idéias de identidades locais em beneficio de uma nação burguesa. Império Frances. Obediência ao Estado, alistamento militar. Substituição do saber tradicional pelo saber científico. Mudança do papel da mulher que era transmissora do conhecimento. Quando o conhecimento passa a ser monopólio do Estado poder da Mulher decai.

Propriedade privada da sua própria vida = jusnaturalistas = Locke, Rousseau, Hobbes.

3 geracoes de direito
Direitos políticos, escola inglesa,
Direitos civis, conquistados quase junto com os direitos políticos. Principio da isonomia, igualdade de direitos e transparência da aplicação da justiça.
Direitos sociais, século XIX na Inglaterra, horário de trabalho, regulamentação do trabalho da mulher e da criança.

No Brasil conquistamos primeiro direitos políticos (parciais), depois sociais e direitos civis oscilam até hoje (policia que mata, sociedade que exclui).

Bibliografia
Um toque de clássicos, Ed UFMG, três autoras. (comprar pois vai ler inteiro)

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Milton Santos, documentário, Silvio Tendler

Consumo desenfreado é o verdadeiro fundamentalismo.

Há 3 tipos de globalização:
Globalização como nos fazem ver, fantasiosa, dinheiro como centro do mundo (no estado puro) independente do homem.
Globalização como o mundo é, globalização como perversidade
Globalização como o mundo pode ser, livro por uma outra globalizaçáo

Consenso de Washington para a America do Sul, fruto envenenado, única preocupação era a estabilidade financeira, negligenciado desenvolvimento social:
QUITO, 1991, REVOLTA PACHACUTI
COCHABAMBA na bolívia obrigou a desprivatização da água.
Bolívia nacionalização do gás
Argentina panelaço 2001

Divisão de trabalho desigual
Grandes empresas sem responsabilidade social
Filme corporation canadense

Lógica financeira nada tem a ver com a lógica da solidariedade.

Homo Davos = homem que faz fundos para amenizar a pobreza, mídia papel de mediação por meio de pequeno numero de agências que controla de maneira eficaz a interpretação do que está acontecendo no mundo.

Existem os fatos, as notícias são interpretações desses fatos.

Informação é grande instrumento de globaritarismo (totalitarismo da globalização).

Documentários Carlos Pronzato, argentino poeta, documenta movimentos diretamente na América do Sul.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Povos da floresta
Pela primeira vez convivemos com o futuro possível

A revanche da periferia
Adirley Santos cineasta periferia Ceilândia.
Rap é um cara da periferia a dar uma cara, identidade para a periferia.
Formas solidarias que tem expressão econômica e política.
Em contraposição ao fenômeno da violência.
Cultura era para privilegiados, outros faziam outra coisa, eles fazem é cultura e outra coisa.
Revanche da cultura popular sobre a cultura de massa. Exerce qualidade de discurso dos debaixo, exaltação da vida do dia a dia.

Período tecnológico do homem está acabando. Começa o período demográfico. Os atores que vão mudar a história são os de baixo. Os continentes pobres sobre os ricos. Haverá explosões aqui e aí impossisseis de conter é preciso rompante porque senão o estado não houve a gente.

Religiões aguerridas como os muçulmanos com forte arcabouço intelectual e moral faz parte desses rompantes. Índia religião do conhecimento que usa em favor de seu desenvolvimento. China planejamento de estado com economia de mercado.

Devemos recusar a condição de subordinação que a divisão do trabalho atual nos condena.

Eduardo Galeano = jornalista uruguaio vamos ser caricatura triste do mundo de fora sistema de poder que nos convencem que não há coisa melhor que imitar os ecos das vozes estrangeiras.

Nos recusamos a pensar como nós mesmos, queremos pensar como europeus e americanos, ficamos atarantados, não sabemos como fazer um mundo novo a partir de nós próprios.

Câmera serve de salvo conduto.

Ambiente hostil, mobilidade relativa.

Por uma outra ética
Segmentação do código ético. Ética dos poderosos ≠ ética dos que não tem nada ≠ ética dos desesperados que tomam o caminho da violência.

Mudança tem tradição histórica e esta ganhando forma de ação eficaz e alguns de nós decide apóia-los porque a ética que está incapaz de atender aos interesses da maioria.
Sem endereço a pessoa não tem nada não é ninguém. Filho sem comida é uma vergonha.

Não é democracia, é capitalismo, a pessoa passa a valer o que tem. Pode cortar os serviços básicos? Sem-terra tratados como caso de polícia não impede que alguns intelectuais apóiem a causa deles.

Aline Sassarrara, cineasta do MST. As pessoas acreditam que só está acontecendo aquilo que vêem na televisão.

Feita a revolução nas escolas o povo a fará nas ruas (Florestan Fernandes)

Marca é uma representação da solidariedade.

Vulcão crepitando que não temos as antenas para perceber. Não dominamos as formas novas de solidariedade.

Classe media não quer direito quer privilegio. Pobres não tem direitos. Nunca houve cidadania neste país. As formas tradicionais de democracia não convencem os mais pobres. Movimentos populares buscam alternativa para uma GLOBALIZACAO SOLIDARIA.

Toda forma de organização é forma de constrangimento de comportamentos.

SÓ A PARTIR DO ESTADO É POSSÍVEL FAZER A NOVO GLOBALIZAÇAO.
NÃO ADIANTA ONGS E TERCEIRO SETOR. Não são abarcativas, não podem cuidar de todos do conjunto das pessoas que precisam de cuidado. Terceiro setor cuida melhor de certos setores e não de outros setores.

Comentários André Arruda:
Conseqüência da dinâmica da globalização sobre as populações marginalizadas, sob perspectiva política. Milton Santos prega a liberdade de pensar = não me filio a nenhum partido, nem a corrente ideológica. Dinâmica do momento histórico em que vivemos. Entrevista do filme foi em 2001 = auge do liberalismo. 2010 o estado nunca esteve tão presente. Potencial inclusivo e político do audiovisual em rede. Âmbito prolífero do processo. Comunidade indígena que com um laptop consegue denunciar desmatamento para grupos do mundo e consegue mobilizar gente para parar o processo. Tecnologias mais democratizadas do que eram antes. A lógica não é a mesma do mainstream. A idéia é potencializar forcas locais, não é intenção rivalizar com Hollywood. Formas muito própria de ser estar em sociedade. Algo de novo e interessante que precisamos observar. Forças contra-hegemönicas cultura de massa passa a não ser a única referencia, passa a ser mais uma força de referencia. Cultura é campo de disputa. Vida em sociedade é um campo de disputa de signos e símbolos. Para nós no presente, olhando para o passado, projetarmos o futuro que queremos.

quinta-feira, 4 de março de 2010

BIBLIOGRAFIA
Um toque de clássicos. Ed. UFMG [Durkheim, Marx, Weber] vários autores org.
Etapas do pensamento sociológico autor Raymond Aron.
Marx in Clássicos da política Francisco Weffort, Ed Atica vol 2.

Século XVIII
PRIMEIRA REVOLUCAO INDUSTRIAL
ILUMINISMO
ABSOLUTISMO

Século XIX – 1800
SEGUNDA REVOLUÇAO INDUSTRIAL indústria química, elétrica, de petróleo e de aço. navios de aço movidos a vapor, o desenvolvimento do avião, a produção em massa de bens de consumo, o enlatamento de comidas, refrigeração mecânica e outras técnicas de preservação e a invenção do telefone eletromagnético (Telegrafo, Eletricidade, motor a vapor)
Fordismo, taylorismo.
UNIFICAÇOES = Estado-nação = Itália / Alemanha
Nacionalismos = 1848 Primavera dos Povos.
Positivismo
Imperialismo (economia, política…)
Napoleão = 1870 III República
Neocolonialismo (Inglaterra, Alemanha, França, Japão, EUA, Bélgica e Holanda) na África e Ásia.
Pax Britânica 100 anos de paz (1815 = Congresso de Viena até 1914 = primeira guerra)
Movimentos sociais (cartismo, ludismo, socialismo, anarquismo, comunismo)
Determinismo geográfico de Friedrich Ratzel

Stempunks

SOCIOLOGIA MODERNA

SOCIOLOGIA MODERNA

ANDRE ARRUDA

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

XEROX DATEM/DAEG = resenha

Sociologia é por excelência moderna, só há uma mais recente que outra.

Karl Marx, primeira metade sec XIX (base filosófica hegueliana) e F. Engels segunda metade do sec. XIX

Durkheim, pai da sociologia, positivista, cria a sociologia como ciência autônoma, trata de fenômenos sociais, conceitua esses fenômenos: igreja, política, direito. São dinâmicos nesse período do sec XIX, dinamizado pela maquina a vapor e estradas de ferro, diminui distancias, Marshal Makluan sobre diplomacia, texto chamado maquinas mídias, demora das informações permitia uma diplomacia mais ponderada, com o telegrafo noticias imediatas impactam sobre a diplomacia. Formas tecnológicas interferem na dinâmica social. Filosofia não está mais aparelhada para discutir essas questões. Fonte da sociologia é a filosofia política, neokantiana. Durkheim é conservador.

Weber mais liberal que o Durkheim. Mas mesmo assim centralista. Estado papel fundamental. Nação associada a idéia de estado. Identidade social construída. Marco criação da Republica Francesa, cria o conceito de cidadão Frances. Suprimi idéias de identidades locais em beneficio de uma nação burguesa. Império Frances. Obediência ao Estado, alistamento militar. Substituição do saber tradicional pelo saber científico. Mudança do papel da mulher que era transmissora do conhecimento. Quando o conhecimento passa a ser monopólio do Estado poder da Mulher decai.

Propriedade privada da sua própria vida = jusnaturalistas = Locke, Rousseau, Hobbes.

3 geracoes de direito
Direitos políticos, escola inglesa,
Direitos civis, conquistados quase junto com os direitos políticos. Principio da isonomia, igualdade de direitos e transparência da aplicação da justiça.
Direitos sociais, século XIX na Inglaterra, horário de trabalho, regulamentação do trabalho da mulher e da criança.

No Brasil conquistamos primeiro direitos políticos (parciais), depois sociais e direitos civis oscilam até hoje (policia que mata, sociedade que exclui).

Bibliografia
Um toque de clássicos, Ed UFMG, três autoras. (comprar pois vai ler inteiro)

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Milton Santos, documentário, Silvio Tendler

Consumo desenfreado é o verdadeiro fundamentalismo.

Há 3 tipos de globalização:
Globalização como nos fazem ver, fantasiosa, dinheiro como centro do mundo (no estado puro) independente do homem.
Globalização como o mundo é, globalização como perversidade
Globalização como o mundo pode ser, livro por uma outra globalizaçáo

Consenso de Washington para a America do Sul, fruto envenenado, única preocupação era a estabilidade financeira, negligenciado desenvolvimento social:
QUITO, 1991, REVOLTA PACHACUTI
COCHABAMBA na bolívia obrigou a desprivatização da água.
Bolívia nacionalização do gás
Argentina panelaço 2001

Divisão de trabalho desigual
Grandes empresas sem responsabilidade social
Filme corporation canadense

Lógica financeira nada tem a ver com a lógica da solidariedade.

Homo Davos = homem que faz fundos para amenizar a pobreza, mídia papel de mediação por meio de pequeno numero de agências que controla de maneira eficaz a interpretação do que está acontecendo no mundo.

Existem os fatos, as notícias são interpretações desses fatos.

Informação é grande instrumento de globaritarismo (totalitarismo da globalização).

Documentários Carlos Pronzato, argentino poeta, documenta movimentos diretamente na América do Sul.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Povos da floresta
Pela primeira vez convivemos com o futuro possível

A revanche da periferia
Adirley Santos cineasta periferia Ceilândia.
Rap é um cara da periferia a dar uma cara, identidade para a periferia.
Formas solidarias que tem expressão econômica e política.
Em contraposição ao fenômeno da violência.
Cultura era para privilegiados, outros faziam outra coisa, eles fazem é cultura e outra coisa.
Revanche da cultura popular sobre a cultura de massa. Exerce qualidade de discurso dos debaixo, exaltação da vida do dia a dia.

Período tecnológico do homem está acabando. Começa o período demográfico. Os atores que vão mudar a história são os de baixo. Os continentes pobres sobre os ricos. Haverá explosões aqui e aí impossisseis de conter é preciso rompante porque senão o estado não houve a gente.

Religiões aguerridas como os muçulmanos com forte arcabouço intelectual e moral faz parte desses rompantes. Índia religião do conhecimento que usa em favor de seu desenvolvimento. China planejamento de estado com economia de mercado.

Devemos recusar a condição de subordinação que a divisão do trabalho atual nos condena.

Eduardo Galeano = jornalista uruguaio vamos ser caricatura triste do mundo de fora sistema de poder que nos convencem que não há coisa melhor que imitar os ecos das vozes estrangeiras.

Nos recusamos a pensar como nós mesmos, queremos pensar como europeus e americanos, ficamos atarantados, não sabemos como fazer um mundo novo a partir de nós próprios.

Câmera serve de salvo conduto.

Ambiente hostil, mobilidade relativa.

Por uma outra ética
Segmentação do código ético. Ética dos poderosos ≠ ética dos que não tem nada ≠ ética dos desesperados que tomam o caminho da violência.

Mudança tem tradição histórica e esta ganhando forma de ação eficaz e alguns de nós decide apóia-los porque a ética que está incapaz de atender aos interesses da maioria.
Sem endereço a pessoa não tem nada não é ninguém. Filho sem comida é uma vergonha.

Não é democracia, é capitalismo, a pessoa passa a valer o que tem. Pode cortar os serviços básicos? Sem-terra tratados como caso de polícia não impede que alguns intelectuais apóiem a causa deles.

Aline Sassarrara, cineasta do MST. As pessoas acreditam que só está acontecendo aquilo que vêem na televisão.

Feita a revolução nas escolas o povo a fará nas ruas (Florestan Fernandes)

Marca é uma representação da solidariedade.

Vulcão crepitando que não temos as antenas para perceber. Não dominamos as formas novas de solidariedade.

Classe media não quer direito quer privilegio. Pobres não tem direitos. Nunca houve cidadania neste país. As formas tradicionais de democracia não convencem os mais pobres. Movimentos populares buscam alternativa para uma GLOBALIZACAO SOLIDARIA.

Toda forma de organização é forma de constrangimento de comportamentos.

SÓ A PARTIR DO ESTADO É POSSÍVEL FAZER A NOVO GLOBALIZAÇAO.
NÃO ADIANTA ONGS E TERCEIRO SETOR. Não são abarcativas, não podem cuidar de todos do conjunto das pessoas que precisam de cuidado. Terceiro setor cuida melhor de certos setores e não de outros setores.

Comentários André Arruda:
Conseqüência da dinâmica da globalização sobre as populações marginalizadas, sob perspectiva política. Milton Santos prega a liberdade de pensar = não me filio a nenhum partido, nem a corrente ideológica. Dinâmica do momento histórico em que vivemos. Entrevista do filme foi em 2001 = auge do liberalismo. 2010 o estado nunca esteve tão presente. Potencial inclusivo e político do audiovisual em rede. Âmbito prolífero do processo. Comunidade indígena que com um laptop consegue denunciar desmatamento para grupos do mundo e consegue mobilizar gente para parar o processo. Tecnologias mais democratizadas do que eram antes. A lógica não é a mesma do mainstream. A idéia é potencializar forcas locais, não é intenção rivalizar com Hollywood. Formas muito própria de ser estar em sociedade. Algo de novo e interessante que precisamos observar. Forças contra-hegemönicas cultura de massa passa a não ser a única referencia, passa a ser mais uma força de referencia. Cultura é campo de disputa. Vida em sociedade é um campo de disputa de signos e símbolos. Para nós no presente, olhando para o passado, projetarmos o futuro que queremos.